Please find our first statement here:


To support below call for action, we are calling for scientists to sign the statement

This statement was originally published in The Lancet on 2021-01-21.

Translated versions are available:

>Czech >English >Finnish >French >German >Greek >Italian >Portuguese >Slovak >Slovene >Spanish

The reference version is the English one published in The Lancet. Translations are provided for your convenience. Thank you to our volunteer translators.
Your language is not available? Contact us to provide a translation.

Plano de acção para uma defesa pan-europeia contra as novas variantes do SARS-CoV-2

Authors: Viola Priesemann, Rudi Balling, Melanie M. Brinkmann, Sandra Ciesek, Thomas Czypionka, Isabella Eckerle, Giulia Giordano, Claudia Hanson, Zdenek Hel, Pirta Hotulainen, Peter Klimek, Armin Nassehi, Andreas Peichl, Matjaž Perc, Elena Petelos, Barbara Prainsack, Ewa Szczurek

This translation was provided by Jose Paulo Andrade, Faculty of Medicine of University of Porto, Portugal

Os casos de COVID-19 estão muito elevados em toda a Europa. As medidas actuais não estão a reduzir suficientemente a propagação do vírus, e novas variantes do SARS-CoV-2 estão a emergir. As variantes B.1.1.7 e B1.351, identificadas pela primeira vez no Reino Unido e na África do Sul, respetivamente, espalharam-se por muitos países europeus1,2,3,4,5. Embora as propriedades biológicas dessas variantes ainda não estejam bem caracterizadas, os dados epidemiológicos sugerem que possuem uma transmissibilidade mais elevada do que a variante original6,7. Essas propriedades virais podem aumentar o número de reprodução efetiva R na população. No caso da variante B.1.1.7, as estimativas sugerem que o R pode aumentar de 1 para cerca de 1,4, se não houver mudanças no comportamento das populações3,4. Se isso acontecer, muitos países que conseguiram reduzir o R para 1 ou menos serão confrontados com uma nova onda de disseminação viral, apesar das medidas actuais8,9. Após o estabelecimento de uma variante mais contagiosa, a estabilização do número de novas infecções torna-se cada vez mais difícil.

Apesar da disponibilidade de vacinas eficazes, a produção é insuficiente para a enorme procura e a implementação dos programas de vacinação levará meses. Os países terão que controlar um grande número de casos e seu impacto adverso por vários meses. Com o aumento lento da imunidade de grupo e da pressão de seleção evolutiva sobre o vírus, o aparecimento de novas variantes do SARS-CoV-2 continuará, o que potencialmente leva a variantes mais contagiosas e talvez até variantes para as quais as vacinas existentes sejam menos eficazes. Essas variantes podem exacerbar rapidamente a crise, muito antes de um número suficiente de pessoas estarem vacinadas. Enquanto se espera pelos dados experimentais para entender as características das novas variantes, devem ser tomadas decisões pan-europeias e acções devem ser executadas imediatamente para conter a disseminação das novas variantes.

Se não forem tomadas medidas para prevenir a propagação de novas variantes com vantagens selectivas, o número de casos e os internamentos hospitalares aumentarão. Tal aumento de casos pode levar ao colapso dos sistemas de saúde. Em muitos países, os hospitais já não podem fornecer um atendimento com a qualidade habitual a todos os pacientes. Muitas unidades de cuidados intensivos já estão além da sua capacidade e os procedimentos não urgentes foram adiados por semanas ou meses. O diagnóstico tardio e o atendimento comprometido para outras doenças representam riscos adicionais à saúde não apenas para pacientes com COVID-19, mas para toda a população.

Os profissionais de saúde e outros trabalhadores da linha de frente já trabalharam em condições extremas durante a maior parte do ano passado, e isso teve um impacto grave na sua saúde física e mental. Se variantes como B.1.1.7 levarem a um novo aumento de casos, isso pode sobrecarregar estes profissionais, levando os sistemas de saúde ao ponto de ruptura. Garantir que a carga sobre os profissionais de saúde seja aliviada, e ao mesmo tempo salvaguardar a sustentabilidade do sistema é de importância crítica. O apoio adequado para essas forças essenciais pode exigir fundos adicionais.

A contenção e a mitigação tornam-se mais desafiadoras com o aparecimento de uma variante mais infecciosa. Assumindo que a variante B.1.1.7 aumenta R de 1 para cerca de 1,4, permitindo que se dissemine sem uma mudança no comportamento das pessoas, o número de casos pode dobrar a cada semana. Serão necessários grandes esforços para trazer o R de volta para 1 ou menos e recuperar o controlo da situação. Agir antes de a variante B.1.1.7 se disseminar amplamente significa que esses mesmos grandes esforços podem reduzir fortemente o número de novos casos e retardar o estabelecimento de B.1.1.7.

Swiss cheese model including new variants
This work by Riina Rupponen is licensed under CC BY 4.0

A Europa precisa de agir agora para atrasar e prevenir qualquer propagação adicional de SARS-CoV-28,9, particularmente a variante B.1.1.7, mesmo na ausência de dados experimentais finais. É necessário formular um plano claro para uma acção pan-europeia imediata e o rápido estabelecimento de medidas de saúde pública, uma vez que é provável que continuem a surgir novas variantes com maior infecciosidade. Sugerimos possíveis medidas básicas neste painel. O princípio orientador é a redução do número de casos o mais rápido possível, pois isso tem grandes vantagens para a saúde, a sociedade e a economia8,9. A acção conjunta de todos os países europeus tornará cada esforço nacional e local mais eficaz e com impacto e, assim, contribuirá para proteger a saúde pública em toda a Europa8.

Quanto mais as restrições duram e quanto menos eficazes se tornam, mais esgotados ficam os recursos psicológicos, sociais e económicos das pessoas. Onde as novas variantes requerem medidas ainda mais rígidas e mais longas do que as medidas existentes, é de extrema importância garantir que as pessoas com encargos particularmente pesados recebam apoio financeiro e social, que as cargas sociais sejam distribuídas de forma justa e que os serviços de saúde mental atendam à crescente procura para lidar com o luto, isolamento, perda de rendimentos, medo, uso indevido de álcool e drogas, insónia e ansiedade como resultado da pandemia e estratégias de confinamento. Factores contextuais e factores que afectam os comportamentos de risco, bem como a percepção de risco, também devem ser considerados.

Os princípios básicos de acção será evitar a importação de novas variantes, prevenir sua disseminação e melhorar a vigilância molecular. Quanto mais cedo e com maior eficácia os países agirem, mais cedo as restrições poderão ser relaxadas. Todos os tipos de medidas devem ser coordenados e sincronizados em toda a Europa. Cada redução adicional de contágio (ou seja, de R) é benéfica, pois reduz mais do que proporcionalmente a duração necessária de medidas restritivas.

  1. Alcançar e manter um número baixo de casos com uma estratégia de prevenção clara
    1. Definir metas claras e reacender a motivação: definir claramente as metas que precisam ser cumpridas para que as medidas sejam levantadas e explicar a razão que as justifica; transmitir de forma convincente que a luta contra a pandemia requer um esforço colectivo que seja do interesse de todos os cidadãos; e garantir suporte social e económico adequado para os que necessitam desse apoio.
    2. Agir precocemente: implementar medidas de mitigação antes que o número de casos aumente.
    3. Reduzir o número de contactos físicos: contactar o mínimo possível de pessoas diferentes; implementar o teletrabalho em casa e ensino online; bolhas sociais pequenas e estáveis e grupos estáveis em casa e no trabalho devem ser preferidos aos contactos alternados.
    4. Prevenir o contágio por meio de medidas individuais como distanciamento físico, higiene, máscaras, ventilação e uso de filtros, evitar espaços fechados e com muitas pessoas e permanecer em casa quando apresentar sintomas; fornecer máscaras FFP2 para aqueles que necessitam e para todos os que não podem trabalhar a partir de casa.
  2. Vigiar a propagação do vírus e de variantes individuais
    1. Testar, identificar, isolar, apoiar: fazer cumprir o isolamento obrigatório de pessoas com infecções confirmadas e encorajar a quarentena preventiva de casos suspeitos; apoiar as pessoas e famílias afectadas.
    2. Rastrear e testar preventivamente: fornecer exames para escolas e locais de trabalho sem custo para a detecção precoce de surtos e protecção de pessoas; aumentar a capacidade de testagem para atender à procura; vigiar as águas residuais para detectar aumentos locais.
    3. Aumentar a sequenciação genética e a detecção baseada em PCR da variante B.1.1.7, bem como outras variantes do SARS-CoV-210.
  3. Parar o vírus nas fronteiras e proteger os vulneráveis
    1. Reduzir viagens dentro dos países e através das fronteiras nacionais e exigir testes e quarentenas para viajantes transfronteiriços; os testes devem ser efectuados 24h antes da viagem e 7-10 dias após a chegada; quarentena para todos os viajantes que chegam de países com transmissão local de COVID-19.
    2. Melhorar a protecção e o apoio aos idosos e grupos vulneráveis; promoção do intercâmbio europeu sobre estratégias e medidas com sucesso que servirão para acelerar o progresso.
  4. Aumentar a eficácia e o ritmo da vacinação
    1. Acelerar a vacinação: melhorar o fornecimento, distribuição e distribuição de vacinas por meio da aprendizagem mútua e cooperação internacional; coordenar esforços para aumentar a produção de vacinas.
    2. Vigiar infecções entre as pessoas vacinadas para detectar reinfecção potencial com novas variantes ou gestão deficiente do processo de vacinação o mais rápido possível.
    3. Responder a perguntas urgentes através da cooperação internacional; investigar maneiras de melhorar os regimes de vacinação para optimizar a logística ou aumentar a disponibilidade da população para a vacinação utilizando dados de vários países.

Swiss cheese model including new variants
This work by Riina Rupponen is licensed under CC BY 4.0

Referências

Informação Suplementar (SI)

A seguir, sob uma perspectiva epidemiológica, focamos os princípios básicos que podem desacelerar a propagação do vírus, e tendo em conta que a pressão acima mencionada na saúde pública e no bem-estar pessoal também deve ser levada em consideração. Para reduzir a pressão sobre a saúde, a sociedade e a economia, a duração necessária de medidas rigorosas deve a mais curta possível – o que deve ser conseguido tornando as medidas tão fortes e eficazes quanto possível.

Deve-se salientar que as nossas conclusões não se limitam à variante B.1.1.7 ou outras variantes identificadas até ao momento: aplicam-se em geral sempre que o surgimento de novas mutações desafia as práticas e as estratégias existentes. É necessária uma boa vigilância para detectar as variantes o mais cedo possível e para permitir que os países se preparem. Além disso, os dados experimentais para entender as características biológicas alteradas sempre ficarão semanas a meses atrás da primeira identificação de uma nova variante por sequenciação genética. Assim, decisões abrangentes devem ser tomadas sempre em momentos de grande incerteza e, certamente, enquanto as evidências do real impacto de novas variantes ainda estão a surgir. Mas só então medidas pró-activas ainda podem ser eficazes para contenção ou pelo menos desaceleração da propagação. Os pontos a seguir fornecem uma orientação complementar às anteriores1,8.

Alcançar e manter um número baixo de casos, com uma estratégia de prevenção clara

  1. Definir metas claras e reacender a motivação. A motivação e a capacidade de muitas pessoas de cumprir as restrições estão a diminuir (“fadiga pandémica”), tornando quaisquer intervenções não farmacêuticas menos eficazes. A imposição de medidas cada vez mais rígidas coloca uma pressão cada vez maior nas sociedades e economias. Portanto, os governos precisam fortalecer o espírito público, garantindo que as medidas são justas e consistentes. Isso inclui explicar claramente os fundamentos e as evidências subjacentes a essas medidas e tornar transparente as bases para sua tomada de decisão. Os governos precisam transmitir de forma convincente que a luta contra a pandemia requer um esforço colectivo que é do interesse de todos os cidadãos e garantir que o apoio social e económico adequado esteja disponível para aqueles que necessitam. Um elemento importante dessa estratégia é definir e comunicar metas comuns que encerrarão o bloqueio quando forem cumpridas, em vez de definir datas específicas (que são revistas e ampliadas, o que compromete ainda mais o moral público). As pessoas precisam de saber que está nas próprias mãos e no seu próprio interesse cumprir as medidas de saúde pública.
  2. Actuar precocemente. Implementar medidas de mitigação antes que os números de casos aumentem. Uma implementação preventiva de medidas de mitigação pode retardar o aumento esperado do número de casos ou mesmo reduzir o número de casos actuais, aliviando assim a carga sobre o sistema de saúde. Visto que dado o intervalo de pelo menos 7 dias entre a infecção e a notificação de um novo caso, a notificação é sempre tardia e as medidas de mitigação, se tomadas apenas após os números de casos começarem a aumentar, já podem ter uma eficácia reduzida. Agir prontamente é, portanto, crucial para salvar vidas.
  3. Reduzir o número de contactos físicos. Contactos físicos em todos os contextos apresentam o risco de contágios, e como a taxa de ataque secundário de B.1.1.7 é provavelmente de 14% em vez de 10% no Reino Unido6,7, reduzir os contactos é ainda mais importante para desacelerar a propagação e reduzir o número de novos casos. Isso aplica-se a todos os contactos em reuniões familiares e sociais, no trabalho, na escola ou em locais públicos. O princípio para todos deve ser, portanto, encontrar-se com o menor número possível de pessoas diferentes. O teletrabalho em casa e o ensino online devem ser implementados sempre que possível. O apoio aos pais que auxiliam o estudo em casa dos filhos deve ser ampliado. O tamanho dos grupos deve ser reduzido e os membros do grupo devem permanecer os mesmos. Em todas as circunstâncias privadas e profissionais, bolhas ou grupos sociais pequenos e estáveis devem ser preferidos em vez de contactos alternados.

    Os transportes públicos devem ter no máximo uma fracção da sua lotação, quando o número de casos for alto. O uso de transportes públicos é reduzido pelo teletrabalho, fecho de escolas e confinamento em casa. Embora o risco de contágio em cada tipo de transporte público seja muito difícil de definir, o ambiente - muitas pessoas num espaço fechado e lotado - tem claramente um risco de contágio. Portanto, para proteger aqueles que não podem trabalhar em casa e dependem dos transportes públicos, os transportes públicos nas horas de ponta devem ser utilizados apenas por aqueles que dele precisam efectivamente e o número de veículos deve ser aumentado. Além disso, os horários de início de trabalho, comércio e escolas devem ser diferenciados.

  4. Prevenir o contágio pela continuação das medidas individuais. Até agora, as vias de transmissão do SARS-CoV-2 são muito mais bem compreendidas. Sabemos que o principal risco reside em gotas e aerossóis, com estes últimos a acumular-se e ficando em suspensão no ar compartilhado com um indivíduo infeccioso. Portanto, as vantagens e os princípios da prevenção da transmissão devem ser claramente comunicados numa linguagem fácil. As medidas eficazes de prevenção já são bem conhecidas; incluem distanciamento físico, higiene, uso de máscara, ventilação e uso de filtros, evitar espaços fechados e lotados e ficar em casa quando se apresentar sintomas. Reunir-se ao ar livre em vez no interior de um edifício pode reduzir o risco de contágio por um fator até 2011. As máscaras FFP2 mais eficientes devem ser fornecidas sem custo para aqueles que precisam e para todos os funcionários no trabalho.

Monitorizar a propagação do vírus e de variantes individuais

  1. Testar, identificar, isolar, apoiar. Detectar e quebrar as cadeias de infecção contribui fortemente para a mitigação da propagação. Neste aspecto, as pessoas podem apoiar as autoridades de saúde, por exemplo, tomando nota regularmente dos seus contactos. Em complemento, as aplicações (apps) de rastreamento podem ser úteis. Ambas facilitam uma rápida identificação e quarentena de contactos potencialmente infectados. Além disso, o conhecimento adquirido com a identificação de contactos melhora a compreensão sobre quais os contactos que apresentam maior risco de contágio. O isolamento necessário e a quarentena preventiva devem ser claramente encorajados, aplicados e os indivíduos devem ser apoiados. É crucial relatar os números de casos e dados sobre hospitalização e óbitos, incluindo informações complementares a nível local e nacional, e garantir que sejam publicados abertamente e legíveis automaticamente para estudo científico.
  2. Fazer rastreios e testar preventivamente. Dada a circulação de novas variantes, onde quer que as pessoas tenham de se encontrar pessoalmente, o teste prévio e o rastreio regular são ainda mais importantes do que anteriormente. O acesso aos testes deve ser facilitado e a capacidade de testagem deve ser aumentada para atender à procura. No local de trabalho, os empregadores devem oferecer testes regulares sem custo para os seus funcionários, de preferência duas vezes por semana. Complementarmente, o rastreio regular e anónimo é útil e importante para detectar surtos precocemente em locais de trabalho, escolas, universidades e outros locais. Além disso, a vigilância de águas residuais para a detecção de surtos locais e rastreio geral é fácil de implementar, anónima e económica.
  3. Os bloqueios prolongados, ou regras de quarentena longas, devido aos encargos que impõem aos afectados, tornam-se cada vez mais ineficazes e convidam as pessoas a contorná-las. Portanto, com a crescente disponibilidade, acessibilidade e diminuição do custo dos testes rápidos de antigénio, e com os primeiros testes caseiros certificados que vão ficar brevemente disponíveis, a participação em atividades não essenciais (actividades culturais e desportivas a refeições em restaurantes e serviços relacionados com o corpo) deve ser tornado dependente de um resultado de teste negativo com menos de 24h. É importante garantir o acesso fácil de todos os cidadãos aos testes, em particular os funcionários no local de trabalho, e que não existam outras barreiras formais ou informais à realização dos testes. Os decisores de políticas também devem garantir que existe capacidade de produção suficiente de testes e haver disponibilidade para o aumento subsequente da procura.

  4. Aumentar a sequenciação e a detecção baseada em PCR da variante B.1.1.7. A vigilância mais atenta permite uma melhor detecção do número de casos e mutações. É importante não apenas relatar o número de casos, mas também aumentar a sequenciação e a detecção baseada em PCR da variante B.1.1.7, bem como outras variantes do SARS-CoV-210.

Parar o vírus nas fronteiras e proteger os vulneráveis

  1. Reduzir todas as viagens dentro de um país e entre os países. A redução das viagens domésticas e entre países pode desacelerar o aumento geral. Restringir a mobilidade dentro de um país e entre países ajuda a desacelerar a disseminação da nova variante e isolar possíveis surtos da nova variante antes que se espalhem para outras áreas ou países. Isso (a) leva a um aumento médio mais lento do número de casos em todo o país, (b) reduz o número de regiões que exigem medidas de contenção mais rígidas e (c) permite que hospitais de regiões menos afectadas apoiem outras.
  2. Exigir testes e quarentena para os viajantes transfronteiriços. Testes preventivos e quarentena para viajantes de outros países retarda a propagação transfronteiriça de novas variantes. Portanto, dois testes (no máximo 24 horas antes da viagem e 7 a 10 dias após a viagem) devem ser exigidos para quem chega de países com transmissão local de COVID-19. Além disso, uma quarentena rigorosa de pelo menos 10 dias deve ser imposta para qualquer pessoa que chegue de países com alta prevalência de COVID-19 ou suspeita de novas variantes.
  3. Melhorar a protecção e o apoio aos idosos e grupos vulneráveis. A melhor medida de protecção é diminuir o número de casos. Em números elevados de casos, o número de infecções não detectadas aumenta e o vírus atingirá inadvertidamente população vulnerável8. Com um grande número de casos, uma protecção eficiente da população vulnerável ainda não foi alcançada. Em qualquer caso, os planos de protecção e apoio para os vulneráveis, incorporando e ampliando os pontos acima, precisam ser melhorados. Aqui, o intercâmbio europeu sobre estratégias e medidas de sucesso poderá acelerar o progresso.

Aumentar a eficácia e o ritmo da vacinação

  1. Acelerar a vacinação. A variante B.1.1.7 aumentou a necessidade de acelerar a vacinação. A fim de melhorar o fornecimento, distribuição e distribuição de vacinas em termos de grupos prioritários, a cooperação internacional é urgentemente necessária para se poder aprender uns com os outros e implementar as estratégias mais eficazes em termos de saúde pública europeia e segurança da saúde pública global. A tomada de decisões torna-se mais eficaz quando a incerteza é reduzida pela combinação de diferentes fontes de informação de muitos países. Além disso, os governos devem coordenar seus esforços para aumentar a produção das vacinas, levando em consideração as cadeias de abastecimento e a necessidade de aumentar a capacidade.
  2. Vigiar as infecções entre as pessoas vacinadas. A vacinação é uma arma também contra as novas variantes de vírus actuais. Análises iniciais indicam que as mutações encontradas na nova variante não diminuem a potência das vacinas5. No entanto, podem surgir mutações contra as quais as vacinas são menos eficazes. Isso requer a vigilância de infecções entre as pessoas vacinadas.
  3. Resposta a perguntas urgentes através da colaboração internacional. Muitas perguntas precisam ser respondidas rapidamente: Podemos melhorar os regimes de vacinação, por exemplo, administrar apenas uma dose para pessoas que já foram infectadas como um reforço para melhor gerir a escassez de vacinas? Tal atitude pode comprometer a capacidade de identificar mutantes que consigam escapar à vacinação? Como pode a logística ser melhorada? Que parâmetros devem ser considerados em termos de disponibilização para a entrega eficaz da vacina em regiões remotas e mais inacessíveis? Qual a melhor maneira para motivar as pessoas para tomar a vacina e quais são as melhores estratégias para superar a hesitação e recusa à vacina?

Referências adicionais