Please find our new statement here:


To support below call for action, we are calling for scientists to sign the statement

This statement was originally published in The Lancet on 2020-12-18.

Translated versions are available:

>Croatian >Czech >Dutch >English >Finnish >French >German >Greek >Italian >Polish >Portuguese >Slovak >Slovene >Spanish >Swedish

The reference version is the English one published in The Lancet. Translations are provided for your convenience. Thank you to our volunteer translators.
Your language is not available? Contact us to provide a translation.

Apelo a um compromisso pan-europeu para uma redução rápida e sustentada das infecções por SARS-CoV-2

Authors: Viola Priesemann, Melanie Brinkmann, Sandra Ciesek, Sarah Cuschieri, Thomas Czypionka, Giulia Giordano, Deepti Gurdasani, Claudia Hanson, Niel Hens, Emil Iftekhar, Michelle Kelly-Irving, Peter Klimek, Mirjam Kretzschmar, Andreas Peichl, Matjaž Perc, Francesco Sannino, Eva Schernhammer, Alexander Schmidt, Anthony Staines, Ewa Szczurek

This translation was provided by Manuel Gomes,

Em toda a Europa a pandemia de COVID-19 tem causado excesso de mortalidade, um grande peso em toda a sociedade e nos sistemas de saúde e está a deteriorar a economia. Todavia os governos europeus ainda não criaram uma visão comum que nos sirva de guia para a gestão da pandemia. Existe evidência avassaladora de que não só a saúde publica mas também a sociedade em geral e a economia, beneficiariam grandemente da redução no número de casos de COVID-19. Espera-se que as vacinas venham a permitir controlar o vírus, mas não antes de finais de 2021. Se os governantes europeus não actuarem já, é de esperar que ocorram mais vagas de infecção, com consequências negativas para a saúde, a sociedade, o emprego e as empresas. Se mantivermos as fronteiras abertas dentro da Europa, um país sózinho não conseguirá manter o número de casos de doença em níveis baixos, é necessário portanto que haja uma acção coordenada e forte na Europa, com objectivos comuns claramente definidos para o médio e longo prazo.

Conseguir manter um baixo número de casos doença, deveria ser um objectivo pan-europeu comum, pelas razões que se apresentam em seguida.

e menos pessoas sofrerão ou morrerão das sequelas de COVID-19 no futuro. Além disso, os recursos médicos não serão subtraidos de outros pacientes que deles necessitam.
O impacto económico da COVID-19, é condicionado pela circulação do vírus na comunidade e as economias poderão recuperar rapidamente logo que o vírus seja eliminado ou grandemente reduzido. A China e a Austrália já mostraram que isto é possível. Pelo contrário, quando ocorrem confinamentos, os custos económicos aumentam com a sua duração 1.
Aliviar o confinamento, quando se perspectiva que poderá haver de novo um número elevado de casos, é uma estratégia de vistas curtas, porque conduz a uma nova onda e a custos adicionais para a sociedade como um todo. A capacidade de testagem e rastreio de contactos é limitada: só quando há poucos casos é que a estratégia de teste-rastreio-isolamento pode mitigar de forma eficiente a propagação2,3. Com poucos casos, podem-se manter medidas de distanciamento físico menos restritivas e mais dirigidas, as escolas e as empresas podem permanecer abertas.
Por exemplo, se num país houver 300 novos casos por milhão de habitantes por dia, dez contactos por caso, e dez dias de quarentena, isto colocaria em quarentena 3% da população, o que causaria uma forte redução na força de trabalho.
A enorme carga de morbilidade e mortalidade que isso causaria, a qual já se reflecte no excesso de mortalidade actual, bem como a incerteza existente sobre a duração da imunidade, deveria desencorajar fortemente este tipo de abordagem.
porque não há necessidade de efectuar mudanças repentinas nas políticas. Isto reduz os estragos económicos, a incerteza e a pressão sobre a saúde mental. Se, pelo contrário, o número de casos subir demasiado, será necessário adoptar medidas preventivas de forma assertiva para os fazer baixar de novo, e quanto mais depressa melhor 5,6,7.

Para gerir melhor a pandemia COVID-19, propomos uma estratégia com três componentes fundamentais:

  1. Alcançar um baixo número de casos.
    1. Ter por objectivo não mais de 10 novos casos de COVID-19 por dia por milhão de habitantes. Este objectivo foi alcançado em muitos países e pode ser alcançado de novo na Europa até, o mais tardar, a Primavera de 2021.
    2. Adoptar medidas firmes para reduzir o número de casos depressa. As intervenções fortes já se revelaram eficazes e conseguem um equilibrio entre a redução rápida de casos e a pressão sobre a saúde mental e a economia.
    3. Para evitar o efeito de ping-pong ligado à importação e re-importação de infecções de SARS-Cov-2, a redução deveria ser sincronizada em todos os países europeus e iniciar-se o mais depressa possível. Esta sincronização permitiria manter as fronteiras europeias abertas.
  2. Manter um baixo número de casos
    1. Quando o número de casos for baixo, o alívio das medidas será possível, mas deve ser monitorizado cuidadosamente. Deve-se continuar e aperfeiçoar as medidas de mitigação específicas, como o uso de máscaras, higiene, redução moderada de contactos, testagem, e rastreio de contactos.
    2. Mesmo quando o número de casos é baixo, deve ser implementada uma estratégia de testagem (no mínimo 300 testes por milhão de pessoas por dia), de forma a que um aumento do número de casos possa ser detectado cedo.
    3. Surtos locais deverão ter uma resposta rigorosa e rápida, incluindo restrições a viagens, testagem dirigida, e eventualmente confinamentos localizados, com o objectivo de conseguir uma rápida redução de prevalência.
  3. Desenvolver uma visão comum de longo prazo

    Desenvolver planos adaptados ao contexto de acção regional e nacional, bem como a objectivos de nível europeu, dependendo da prevalência de COVID-19. Elaborar estratégias de eliminação, rastreio, vacinação, protecção das pessoas de maior risco e apoio aos que são mais afectados pela pandemia 8.

É fundamental comunicar o objectivo e as vantagens de atingir um baixo número de casos, a fim de conseguir a cooperação da população, porque o sucesso destas medidas depende crucialmente da sua adesão e envolvimento. O argumento dos benefícios económicos e sociais que advêm da redução do número de casos, se bem comunicado, poderá favorecer muito a cooperação da população.

Controlar a pandemia de COVID-19 tornar-se-á mais fácil. No futuro próximo, o aumento da imunização, o incremento dos testes, e a melhor compreensão das estratégias de mitigação, facilitarão o control da COVID-19.

Convidamos os governos da Europa a chegar a acordo sobre objectivos comuns claramente formulados, a coordenarem os seus esforços, e a desenvolver estratégias regionais adaptadas, com vista a alcançarem estes objectivos e trabalharem de forma resoluta para a redução do número de casos.

References

...
This work by Ewa Szczurek is licensed under CC BY 4.0